Bem-Vindos ao Meu Blog =^·^=

Bem-Vindos ao Meu Blog =^·^=
Neste Blog vc vai encontrar um poukinho de tudo. Ele reflete minhas opiniões, meus gostos, desgostos, saudades e tudo mais que me der na kbç. Vale lembrar também que as imagens, os comentários, as frases aqui disponibilizadas, tudo pode ser encontrado na Internet, ou seja, acredito que seja de domínio público.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Por Enquanto

Por Enquanto- Cássia Eller


Mudaram as estações, nada mudou
Mas eu sei que alguma coisa aconteceu
Está tudo assim tão diferente...

Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre, sem saber, que o pra sempre
Sempre acaba...

Mas nada vai conseguir mudar o que ficou
Quando penso em alguém só penso em você
E aí, então, estamos bem...

Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar agora tanto faz
Estamos indo de volta pra casa...

Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar agora tanto faz
Estamos indo de volta pra casa...


Composição: Renato Russo

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Amar é...

Odiar é...

Odiar é...


... é deixar vc
viver sem mim!





Por que amar dói tanto?!?

Por que amar dói


   Por que amar dói tanto, se é o amor fonte de alegria e de felicidade?
  Quando sonhamos com o amor, não sonhamos com tristezas, menos ainda com dor. Sonhamos com beijos, noites enluaradas e momentos a dois. Sonhamos com felicidade eterna e sem defeitos.
   Mas quando o amor chega, ele nos desnuda. E quanto mais se apossa de nós, mais nos desnudamos. Nos tornamos expostos, à mercê do outro, que toma pra si nossas vontades. Nos tornamos transparentes.
   Não se esconde de ninguém olhos amorosos. O amor transparece em nós como se estivesse escrito em grandes letras e todas as línguas. Daí nossa fragilidade diante de um sentimento tão grande.
   A outra pessoa fica dona do nosso sorriso, ela controla nossa tristeza. Não conscientemente. Somos nós que, segundo palavras ou gestos, reagimos assim. E o amor dói em nós profundamente.
   Mesmo no auge da felicidade, ele dói ainda. Dói de saudade, de medo de perder.
   Deveria não ser assim. Deveria ser felicidade sem fim, sem altos e baixos. Sem lágrima derramada. Mas... teria o mesmo gosto? Seria o amor tão maravilhoso se não houvesse essa possibilidade de perda que faz com que nos agarraremos a ele com mais intensidade ainda?
   Amar dói e é perfeito que seja assim. As rosas têm espinhos e é exatamente esse contraste que fascina tanto.
   E eu posso ainda espetar o dedo e até sangrar. Mas jamais deixarei de amar uma rosa!
   Posso ainda estar desnuda de mim, sentir frio ou calor, mas ainda assim vou me entregar ao sentimento quando ele me acenar.
   Posso ainda chorar ou sorrir, querer morrer ou querer viver, mas esse caminho não quero evitar.
   Não evitarei minhas dores, porque um minuto de felicidade a dois cobre (e com juros!!!) todas as dores do mundo!...



Letícia Thompson

terça-feira, 8 de junho de 2010

segunda-feira, 7 de junho de 2010

^ u^

“A mulher nasceu da costela do homem, não dos pés para ser pisada, não da cabeça para ser superior, mas do coração para ser amada, do lado para ser igual…”


Maomé

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Você não pode perder...


"You can't lost someone you've never had" 
 
“Você não pode perder alguém que nunca teve” 


filme Como Perder um Homem em 10 dias

terça-feira, 1 de junho de 2010

Fábulas de Esopo- A Raposa e a Cegonha

A Raposa e a Cegonha

"A raposa e a cegonha mantinham boas relações e pareciam ser amigas sinceras. Certo dia, a raposa convidou a cegonha para jantar e, por brincadeira, botou na mesa apenas um prato raso contendo um pouco de sopa. Para ela, foi tudo muito fácil, mas a cegonha pode apenas molhar a ponta do bico e saiu dali com muita fome.

- Sinto muito, disse a raposa, parece que você não gostou da sopa.
- Não pense nisso, respondeu a cegonha. Espero que, em retribuição a esta visita, você venha em breve jantar comigo.

No dia seguinte, a raposa foi pagar a visita. Quando sentaram à mesa, o que havia para o jantar estava contido num jarro alto, de pescoço comprido e boca estreita, no qual a raposa não podia introduzir o focinho. Tudo o que ela conseguiu foi lamber a parte externa do jarro.

- Não pedirei desculpas pelo jantar, disse a cegonha, assim você sente no próprio estomago o que senti ontem.

(Quem com ferro fere, com ferro será ferido)